06/10/2013

José Terra - A vida e a obra poética

José Terra
Abril de 2007, no Monumento ao 25 de Abril,

em Fontenay-sous-Bois (região parisiense)
por Dominique Stoenesco

José Terra [pseudónimo de José Fernandes da Silva] nasceu em Prozelo, Arcos de Valdevez, a 24.05.1928.

Poeta, filólogo, historiador, ensaísta, crítico, tradutor e professor catedrático.
         
Tendo frequentado o seminário até aos dezassete anos, fixa-se em Lisboa como empregado comercial (1946) e frequenta estudos universitários. É licenciado e mestre em Filologia Clássica pela Universidade de Lisboa. Doutorou-se na Sorbonne – Universidade de Paris III, em 1984, com a tese intitulada «João Rodrigues de Sá de Meneses e o Humanismo Português».

Lecionou no ensino secundário, em Lisboa, e a partir de 1957, ano em que é nomeado pelo Instituto de Alta Cultura como Leitor de Português numa universidade em França, não mais deixará de ensinar e promover a língua e a cultura portuguesas nesse país: em Aix-en-Provence, Nice, Paris. Desde 1988 que é professor catedrático na Universidade de Paris IV – Sorbonne, agora jubilado.



Cofundador e coeditor – com António Luís Moita, António Ramos Rosa, Luís Amaro e Raul de Carvalho – da revista Árvore – folhas de poesia, de que saíram quatro fascículos: de 1951 a 1953 [1.º fasc., Outono de 51; 2.º fasc., Inverno de 51-52; 3.º fasc., Primavera e Verão de 52; Vol. II, primeiro fasc., Outono de 53. No último fasc., Egito Gonçalves substitui António Luís Moita] e, na sua sequência, cofundador da revista Cassiopeia – Antologia de poesia e ensaio, igualmente publicada em fascículos e de que saiu um número único, em março de 1955, sob orientação de António Carlos, António Ramos Rosa, João Rui de Sousa, José Bento e José Terra.

Colaborou como poeta e como ensaísta – neste domínio tem-se dedicado sobretudo à literatura e à história do Renascimento – em diversas publicações periódicas: Árvore, Cassiopeia, Seara Nova, Vértice, Nova Renascença, Colóquio/Letras, JL – Jornal de Letras, Artes e Ideias, Diário de Notícias, O Comércio do Porto, Boletim Internacional de Bibliografia Luso-Brasileira, etc.


Distinguiu-se na escrita literária com a publicação de quatro livros de poesia: Canto da ave prisioneira (1949), Para o poema da criação (1953), Canto submerso (1956) e Espelho do invisível (1959). Volumes agora reunidos em edição integral na sua OBRA POÉTICA (Porto: Modo de ler, 2014 – no prelo), acrescida de textos dispersos e inéditos, tornando a sua poesia visível para o leitor atual, libertando o canto da ave poética para que espelhe a sua arte no panorama literário português.

O seus poemas foram incluídos em diversas antologias poéticas coletivas e pelo seu volume Canto submerso (1956) foi galardoado com o Prémio de Poesia «Teixeira de Pascoaes», um ano antes.
         

Como tradutor, verteu para a língua portuguesa, especialmente com a chancela Livros do Brasil, obras de David Garnett (A mulher-raposa, 1955); Giovanni Papini (Vigia do mundo, 1955); François Mauriac (Os anjos negros, 1956); Vasco Pratolini (O bairro, 1956; As raparigas de Sanfrediano, 1956); Albert Camus (A queda, 1957, com muitos “reprints” até à atualidade); André Maurois (A vida de Victor Hugo, 1958); Paul Arrighi (História da literatura italiana, 1959); Pierre Teilhard de Chardin (O fenómeno humano, 1965 – trad. com Léon Bourdon); Elio Vittorini (Consideram-se mortos e morrem, Lisboa: Portugália, 195?); Georges Le Gentil (Camões, 1969 – trad. e notas); Colette Callier-Boisvert (Soajo: entre migrações e memória: estudos sobre uma sociedade agro-pastoril de identidade renovada, 2004 – trad., texto rev. e aumentado). Traduziu para francês uma antologia da poética de Ruy Belo – Une façon de dire adieu (1995).

José Carlos Canoa

Principal fonte bibliográfica:
Dicionário Cronológico de Autores Portugueses, Vol. V,
Lisboa, 1998 – versão online na DGLB.



OBRA POÉTICA + um conto:




Canto da Ave Prisioneira

Lisboa: Edição do autor, 1949.

 – capa com um desenho de José Viana Dionísio
[o futuro actor José Viana).



Para o Poema da Criação
Lisboa: Edições Árvore, 1953.

– Com dois desenhos de Cipriano Dourado 
e o texto poético «A visão paradisíaca» de António Ramos Rosa.







Canto Submerso.
Lisboa: Portugália Editora, 1956. 

– Com capa de Fernando do pintor Fernando Azevedo
– Prémio de poesia «Teixeira de Pascoaes»,
recebido no “ano anterior”.






Espelho do Invisível
Lisboa: Livraria Morais Editora, 1959.
 – Col. “Círculo de Poesia”.






«Vou até ao fim do mundo», conto de 1951

in Contos do Minho: colectânea de contistas minhotos.
Póvoa de Lanhoso: Ave Rara, 2002, pp. 161-174.

Receção a Obra Poética (Modo de ler, 2014)

  • GUIMARÃES, Fernando, «Reler José Terra», Relâmpago, n.º 34, abril 2014, pp. 208-210.

Alguns estudos sobre José Terra


S.a. – "MARIA DE Lourdes Belchior, José Terra e Pedro Tamen", Colóquio/Letras. Letras em Trânsito, n.º 140/141, abr. 1996, p. 349.

AA.VV, Árvore et la poésie portugaise des années cinquante (1951 -1953), actes du colloque organisé par Maria Helena Araújo Carreira, Paris:  Éditions Lusophone, 2003.

ANTUNES, Manuel, «?», in Brotéria, Lisboa, vol. 56, 1953, pp. 491-494; reprod. in Padre Manuel Antunes, SJ, Obra Completa: Estética e Crítica Literária, t. V, vol. I, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2009, pp. 25-26, 28.

ANTUNES, Manuel, «?», in Brotéria, Lisboa, vol. 62, 1956, pp. 587-596; reprod. in Padre Manuel Antunes, SJ, Obra Completa: Estética e Crítica Literária, t. V, vol. I, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2009, p. 201.

BRASIL, Jaime [?] – «Livros e Publicações – Canto da Ave Prisioneira – por José Terra – Com capa desenhada por Viana Dionísio» [Edição do Autor, 1949], in O Primeiro de Janeiro, 18.04.1949, p. 6.

COELHO, Eduardo Prado, «A arte e o invisível na poesia de José Terra», in A Palavra sobre a Palavra. Porto: Portucalense Editora, 1972, pp. 205-214.

COCHOFEL, João José, «Crónica de poesia», in Gazeta Musical e de Todas as Artes, Lisboa, n.º 87, jun. 1959, pp. 107-108; reprod. in Críticas e Crónicas, pref. Rui Feijó, Lisboa, IN-CM, 1982, p. 183.

DIAS, Akima, «Uma leitura do conto “Vou até ao fim do mundo”» [inclui uma “apresentação do autor”], in ROCHA, Paula et al, Contos do Minho… à nossa maneira [baseado no livro Contos do Minho]. Braga: CEFP [Centro de Emprego e Formação Profissional], 2012, pp. 97-103.

DIONÍSIO, Mário, recensão crítica de: Canto da Ave Prisioneira (1949), Vértice – Revista de Cultura e arte, Lisboa, vol. VIII, 11.07.1949, p. 57.

ESTEVES, José Manuel da Costa, «La poésie de José Terra: l’acte créateur comme acte libérateur» [comunicação], in Árvore et la poésie portugaise des années cinquante (1951 -1953), actes du colloque organisé par Maria Helena Araújo Carreira, Paris: Éditions Lusophone, 2003.

GONDA, Gumercinda Nascimento, Árvore e o Sentido da Modernidade (As Mil Maneiras de Ver), Tese de Doutorado em Letras Vernáculas. Faculdade de Letras da UFRJ, 2006.

GONDA, Cinda, «“Árvore”: breve história de uma revista», Labirintos: Revista eletrônica do Núcleo de Estudos Portugueses, n.º 4, 2.º semestre de 2008, Feira de Santana: Univ. Estadual de Feira de Santana; reprod. em Teia Literária: revista de estudos culturais: Brasil – Portugal - África [online], n.º 3 – Memória, imaginário e identidade cultural, São Paulo: In House, 2009 pp. 53-70.

GUISADO, Alfredo – «Livros de Versos. Cântico da Ave Prisioneira [jan. 1949], de José Terra», in “Literatura” [página dir. por Alfredo Guisado] do República, 18.03.1949, p. 3.

HÖRSTER, Maria António Henriques Jorge Ferreira, ref.as à obra de José Terra [interpreta o conjunto da obra do Poeta sob a influência de Rilke], Para uma História da Recepção de Rainer Maria Rilke em Portugal (1920-1960). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001, pp. 645-652.

LOPES, Óscar, «A crítica do livro», O Comércio do Porto, Porto, 24.11.1959, p. 6.

MARTINHO, Fernando J. B., «Fidelidade ao humano» [cap. dedicado aos poetas da Árvore, apresentando uma visão global e interpretativo da poesia de José Terra], in Tendências Dominantes da Poesia Portuguesa da Década de 50. Lisboa: Edições Colibri, 1996;  2.ª ed., 2013. – A propósito dos poetas da Árvore, ver p. 206-271 da 1.ª ed. e 220-290 da 2.ª ed..

ROSA, António Ramos, «José Terra, “A visão paradisíaca”» - prefácio ao livro Para o Poema da Criação, Lisboa, Edições Árvore, 1953.

ROSA, António Ramos - «?», Seara Nova, Lisboa, n° 1370, dez. 1959, pp. 392-393.

ROSA, António Ramos, Recensão crítica de: “Espelho do Invisível” (José Terra)”, Ler - Jornal de Letras, Artes e Ciências, dez. 1959, p. 392.

ROSA, António Ramos -«?», Cadernos do Meio Dia, Faro, n° 5, fev. 1960, pp. XIII-XIV.

SENA, Jorge de, nota biobibliográfica, in Líricas Portuguesas – 3.º Série, 2.ª ed. em 2 vols., Lisboa, Ed. 70, 1983 [A 1.ª ed., Lisboa, Portugália, é de 1958], p. 355.

STOENESCO, Dominique, «Os poetas portugueses imigrantes, refugiados ou exilados na França (desde os anos 1960-70)» [com nota biográfica sobre José Terra], Légua & Meia: Revista de literatura e diversidade cultural. Feira de Santana: UEFS, v. 4, n.º 3, 2005, pp. 106-130. – disponível online; reprod., em língua francesa, in Latitudes. Cahiers Lusophones, Paris, n.º 27, septembre 2006, pp. 34-45 – sob o título “Les poètes portugais exilés ou immigrés en France, des années 1960-70 à nos jours” [com ilustrações].


ZIMMERMANN, Marie-Claire, «Do obscuro à escrita: um soneto de José Terra», in Terra de Val de Vez, revista cultural do GEPA (Grupo de Estudos do Património Arcuense), Arcos de Valdevez, n.º 18, 2007, p. 131-132.




A beleza espantosa dos poemas:

ESTE POEMA RESPIRA


Este poema respira. Em seus flancos
circula o sangue por artérias novas.
Rasgo-lhe a boca e beijo-o. Dou-lhe os olhos
selvagens e esta inocência que é

a sua vida eterna. Entre os salgueiros
esconde o corpo e o sexo recentes.
Há um cheiro a resina, um cheiro vivo
a sémen, sangue, suor, a flor carnívora.

Este poema é macho. Olhai seus músculos
retesos, suas ancas, seus artelhos,
seu sexo erecto, seu púbis, seus mamilos.

A primeira seta do sol fere-lhe os olhos.
Vede-o agora de rosto entre as mãos limpando
a sujidade materna com o seu pranto.

José Terra

Canto submerso, 1956


Edição utilizada: 
Líricas Portuguesas, 3.ª Série, org. Jorge de Sena, Vol. II, 2.ªed., Lisboa: Ed. 70, 1983, pp. 359-360.



1 comentário:

  1. Business Management coursework writing service learners have an advantage of hiring the best business research writing service that is familiar with business term paper writing services for their Business Essay Writing Services.

    ResponderEliminar